sexta-feira, 21 de abril de 2017

indescritível




Num momento todo o meu coração se comoveu como nunca; eu acreditei por dentro e com todas as forças; todo o meu ser era como que violentamente arrebatado para o alto. E havia em mim uma convicção tão forte - uma segurança tão indescritível - que fez desaparecer todos os resquícios das anteriores dúvidas.

...

Vive talvez no lugar mais inacessível da memória - esse lugar onde o pensamento costuma refugiar-se - a consciência de que, muito mais do que na perspectiva das palavras, é na transparência do silêncio que se reflecte a geometria de um sorriso.

Um sorriso quase tangível que se multiplica pela própria realidade dos lugares. Pela transbordante latitude do sossego que amanhece no prolongar dos passos e dos caminhos. Um sorriso ou, se calhar, a explicação do tempo e da saudade.

Porque o tempo não é apenas a irracional rotação dos ponteiros de um relógio. O tempo projecta-se na dimensão do vazio. No infatigável marulhar das ilusões. Na súbita percepção de que existe uma espécie de alegria no soletrar da distância.

...E há gestos que não se perdem na ausência de um olhar.



Sem comentários:

Enviar um comentário